Luana Mattos | Writing a better world » Blog
"Do not conform to the pattern of this world, but be transformed by the renewing of your mind." Romans 12:2
O Retorno de Gilmore Girls – e mais, entenda o que causou o cancelamento da série.


09.14.2016
O Retorno de Gilmore Girls – e mais, entenda o que causou o cancelamento da série.
Entenda o sucesso e a polêmica por trás do filme, Como Eu Era Antes de Você.


07.20.2016
Entenda o sucesso e a polêmica por trás do filme, Como Eu Era Antes de Você.
Jurassic World vs. Exterminador do Futuro – Qual filme ganha em “empoderamento feminino”?


06.21.2016
Jurassic World vs. Exterminador do Futuro – Qual filme ganha em “empoderamento feminino”?
Arquivo da tag 'Blog'

Não é comum que as pessoas compartilhem fotos como estas, pelo menos não quando o resultado é negativo. Caso você não saiba, essa é a única prova em que você deve tirar zero. Pela foto você pode perceber que eu passei longe disso, uma troca de marchas mal sucedida me renderam 5 pontos numa prova onde eu devia tirar no máximo 3.

20160815_182739

“É, não foi dessa vez,” eu pensei. E de maneira bastante confiante contei a minha mãe como estava feliz porque “tirando isso” todo o resto tinha ido bem:

Balizas Urna de votação com marca de verificação

Lombas Urna de votação com marca de verificação

Arrancadas Urna de votação com marca de verificação

Estacionamento Urna de votação com marca de verificação

Piscas Urna de votação com marca de verificação (exceto por um pisquinha que caiu e eu não reforcei)

Só que meia hora depois a ficha caiu e a garganta embargou: “Eu fracassei!” Por um detalhe, algo que podia ter sido evitado, melhor executado. Repasso toda a prova na minha cabeça, revivo tudo de novo e não posso evitar o sentimento de vergonha, eu falhei e agora terei que contar aos outros que virão me perguntar com os olhos brilhando e cheios de expectativas, como por questão de segundos eu fui reprovada no meu teste de direção.

E tal qual uma montanha russa eu fui ao chão, e tão logo fui ascendida com uma verdade irrefutável: “Assim como os céus são mais altos do que a terra, também os meus caminhos são mais altos do que os seus caminhos e os meus pensamentos mais altos do que os seus pensamentos.” Isaías 55:9 Os caminhos dEle são mais altos, os pensamentos dEle vão além da minha compreensão. E de fato, eu não podia compreender, até que o Senhor ministrou ao meu coração, silenciou as vozes de desanimo e acusação, e me trouxe paz!

O Senhor me trouxe a memória as meninas da ginástica artística, as quais tenho acompanhado desde a fase classificatória, tenho visto como pequenos deslizes, desequilibro e falhas de execução podem encerrar de forma dolorosa quatro anos de treinamento rigoroso. Elas só terão essa chance de novo daqui a quatro anos, isso se ainda contarem com o patrocínio que cubra o custo dos treinos, viagens, roupas e a dieta restrita a qual se submetem. Eu no entanto, daqui a duas semanas posso tentar de novo. E posso falhar de novo, e continuar tentando até que consiga. Isso não diminui o meu valor, nem minha capacidade. Isso só torna o premio mais valioso, mais importante. Porque quando eu olhar para minha CNH eu não verei apenas o meu nome, eu verei a jornada, os obstáculos, as dificuldades, as falhas, o progresso e por fim, a aprovação!

“E não somente isto, mas também nos gloriamos nas tribulações; sabendo que a tribulação produz a paciência, e a paciência a experiência, e a experiência a esperança.” Romanos 5:3,4

Por isso quando você falhar, não seja tão duro consigo mesmo, não se auto deprecie. Nem todos passam de primeira, nem todos ganham a medalha de ouro, mas todos podem tentar de novo, e de novo, e de novo… e certamente um dia alcançarão a vitória!

De acordo com o site Publish News, o livro Como Eu Era Antes de Você da autora britânica Jojo Moyes está em 1º lugar na lista dos livros mais vendidos no Brasil (fato que se repete há alguns meses já). Mas o que há por trás dessa capa tão singela? E porque um livro tão água com açúcar gerou tanta polêmica? Talvez seja porque o final do livro deixa um gostinho meio amargo na boca… Vejamos, o tema é controverso, afinal estamos falando de suicídio assistido.

Mesmo eu sabendo com antecedência qual seria o desfecho dessa história eu embarquei nela. Como já descrevi nessa resenha, li o livro super-rápido, estava intrigada. Sabia o começo e o fim, mas minha duvida era: será que o fim seria justificado pelo meio?

Particularmente, eu gostei da proposta do livro. Não posso atestar quanto a sua veracidade, pois não tenho nenhuma experiência no assunto, mas ele certamente abriu meus olhos para os desafios que pessoas com deficiência física enfrentam diariamente. Mas o livro é só uma fatia do bolo, não é correto afirmar que ele retrata de forma ampla a realidade de todos deficientes físicos. E é ai que mora o perigo, ao assumir o risco de manter o mesmo final do livro, a “dramédia romântica” gerou bastante revolta nos fãs da autora e também nas pessoas que convivem com a paralisia.

Diante desse fato, busquei a opinião de algumas pessoas a respeito do tema principal do filme, questionando que mensagem eles acreditam que a história de Will passa para o publico em geral. Afinal de contas, o filme faz apologia ao suicídio assistido? Romantiza a morte ou apenas traz a experiência de um personagem que não soube lidar com a sua atual condição?

op1op2

op3

op4

op5

Quanto a minha resposta a pergunta que fiz a essas pessoas: Eu não sei que tipo de mensagem o livro/filme irá passar para o publico em geral, e para as pessoas com deficiência física, mas o que eu gostaria que eles extraíssem do filme é que suas vidas são importantes! Quando alguém diz que gostou do livro/filme, ela não está necessariamente dizendo que concordou com a decisão do Will, e é exatamente isso que muitos estão deixando passar, a história de Will e Lou não é uma apologia ao suicídio assistido, a revolta que fica quando os créditos sobem ou as ultimas páginas viram é a mensagem principal. Se você não gostou do final, é porque você sabe que uma deficiência ou doença congênita não é necessariamente o fim, e que todos os obstáculos podem ser superados com o amor e o apoio daqueles que amamos. É impossível concordarmos 100% a respeito de qualquer coisa, então que possamos manter nossas mentes abertas para conversas como essa, que nos fazem ir além dos limites do nosso cotidiano.

Segundo dados do IBGE: 6,2% da população brasileira têm algum tipo de deficiência, e ao contrário do Will, muitas delas não tem condições de pagar pelo tratamento necessário. E através da nossa contribuição nós temos a oportunidade de mostrar o quanto essas vidas são importantes para nós.

Com sorte, toda essa polêmica em torno do filme servirá para quebrar paradigmas a respeito de pessoas com deficiências físicas, e abra a nossa mente para compreendermos melhor outras realidades.

Para mais histórias inspiradoras e informações, visite:

http://www.cantinhodoscadeirantes.com.br/

 https://www.facebook.com/ACADEF/

*Agradeço a todos que gentilmente contribuíram para essa matéria. Muito obrigada!

 

Hoje tenho a honra de apresentar a vocês uma amiga muito especial, Carol Major. 🙂 A Carol é uma daquelas pessoas raras que encontrei navegando nesse vasto mar que se chama internet. Ela assim como eu ama livros e não dispensa um boa história de amor, sabendo que a maior delas é a de Deus pela humanidade. Ela também é dona de um coração enorme que se expressa através das palavras, que ela gentilmente compartilhará conosco hoje e no futuro!

Guarda-Chuva Amarelo by Carol Major

Um grande amigo meu costuma comparar algumas pessoas com chocolates… É algo engraçado para se comparar, mas não discuto, pois disso tirei uma grande lição.

Seguindo essa lógica, as melhores pessoas, as mais bonitas são como os chocolates mais caros, de marcas famosas. Desde que nos conhecemos eu já subi uma marca, isso provavelmente é bom, seguindo ainda a lógica dele. Porém há alguns dias, passando por uma docería me deparei com um chocolate, que fez parte da minha infância, não é de marca e ele tem formato de um guarda-chuva, e por incrível que pareça mesmo com todos os aumentos e variações, e todo o tempo, ele continua com o mesmo valor, financeiramente falando, e também continua com o mesmo valor sentimental pra mim.

guarda-chuva-rogc3a9rio-voltan-3

imagem internet

Lembro-me de ver esse chocolate na prateleira e ser tomada por uma nostalgia sem tamanho, me lembrei de como eu ficava feliz quando saía passear com meu avô e ele me dava um desses. Nesse momento eu desejei ser esse chocolate na vida das pessoas, e passei a entender que as pessoas que mais amo já são aquele chocolate. Na maioria das vezes queremos agradar tanto, passar uma imagem tão forte, e cheia de prepotência e aparência, que esquecemos que o que mais atrai são as coisas simples.

Que possamos passar na vida das pessoas e deixar um gosto de infância, de momentos únicos onde aparência não importa. Que as pessoas possam nos ver de maneira simples, sem grandes holofotes. Talvez não seja o mais atrativo na vitrine, mas é alguém que sempre desperta o melhor em cada um de nós. Em resumo, espero ser aquele guarda-chuva de chocolate, embalado em papel amarelo e desenhos malucos, espero ser sempre simples e não alterar meus valores, que assim seja para sempre.

Sem título

 

 

Buying jewelry can be considered as a guilty pleasure for some people, however, if you purchase at 31 Bits, it becomes just a pleasure, with no guilty! Because every time you make a 31 Bits purchase, you have a direct impact on women’s lives in Uganda. You are literally changing the life of many women and their families.

“Our customers are changing people’s lives through their purchases. 31 Bits is part of a movement revolutionizing the way people do business.” 31 Bits Team

What’s 31 Bits story?

Our classmate, Kallie, had just gotten back from a life-changing trip to Uganda. She met women who grew up in a war and had nothing. They were single moms with no education and no job, and they were our age. OUR AGE. Our lives couldn’t look more different.

What the women lacked in education, they made up for in skill and resourcefulness. They were making incredible jewelry out of old posters. Kallie brought a box of the jewelry back, and we fell in love instantly. We sold the jewelry to friends and ran out within weeks. That’s when it hit us. These women had a skill, but needed a market. We lived in dorms and apartments filled with people who would love this stuff! Together, we could make a business.

What is 31 Bits purpose?

Our program equips women by providing literacy education, financial and vocational training, holistic care, and strong support systems, empowering individuals to further their careers and attain social equity. We didn’t want to be just another charity selling key chains and t-shirts. We were determined to create a fashionable product that women would buy because they actually liked it. These women needed a lot more then a paycheck. They needed education, health care, and counseling. They needed to be cared for physically, mentally, and emotionally. They needed a way to be whole again.

http://31bits.com/about/team

http://31bits.com/about/team

31 Bits started by selling at school events, craft fairs, and home parties. They’d tell their story to anyone who would listen. Eventually they started an online store and a wholesale program. Now they’re in over 300 stores and have shared their story with hundreds of thousands of people.

  • “Our goal is to empower people to rise above poverty. On top of that, we create products with exceptional quality and sophisticated design. It’s a win/win.” 31 Bits Team 

(mais…)

Every television production involves a lot of people and hard work, and yet sometimes they are labeled only as bad or good, when there’s more to be considered. That’s why once in a while, I like to highlight TV shows that are really making a difference, especially for women. That being said, (in case you haven’t already) I would like to invite you to check out the CW’s comedy-drama, Jane the Virgin. Warning: Don’t judge the show by its name and don’t expect less than a great performance from Gina Rodriguez, who won the Globe for Best Actress in a Comedy Series, the very first Golden Globe award for The CW.

Right in the first episode, the show presents the question: Are you pro-life or pro-choice? Personally, I find it hard to make a statement on that matter, because honestly how can you say that you’re pro-life or pro-choice if you never had to make that call? I think it’s important for us as women and as human beings, to see these kinds of controversial issues as individual situations, not just generalizing all of them as right or all of them as wrong. That’s what this show does flawlessly; it integrates many social issues and encourages people to look for knowledge instead of judgment.

That’s also what got Gina into the story– she refuses to play characters that won’t serve as role models for young Latinos, “I’m defined by my character, and my character is a strong woman that’s independent, that’s following her dreams, that wants love, that wants a family, that wants to succeed just like anybody else in this world. I found it limiting to see women of my skin color only playing very specific roles as though Latino stories are different”, Gina told THR last year when the first season premiered.

Courtesy of Hollywood is Here, by Claudia Ciuffo

Courtesy of Hollywood is Here, by Claudia Ciuffo

And when THR asked what message she hoped to send to young women who are tuning in to Jane? She replied: “This is not specific to one ethnicity. We’re going to represent the human story with a new face that hasn’t been seen before. I want little girls to be able to see that their uniqueness is what makes them special; they’re imperfectly perfect like everybody else. What’s so beautiful about Jane is that she’s the every-girl. Jane is not specifically Latina; she’s a very specific girl who is a type-A who wants her dreams to come true. I want to change beauty norms. I eat cookies and brownies but nobody’s talking about what I look like on this show. Nobody’s talking about beauty on the show. It’s not a conversation because it doesn’t need to be one. Because the only person I’m worried about that likes what she looks like in the mirror is me.”

(mais…)

1 of 212