Luana Mattos | Writing a better world » Alexis Jones
"Do not conform to the pattern of this world, but be transformed by the renewing of your mind." Romans 12:2
O Retorno de Gilmore Girls – e mais, entenda o que causou o cancelamento da série.


09.14.2016
O Retorno de Gilmore Girls – e mais, entenda o que causou o cancelamento da série.
Entenda o sucesso e a polêmica por trás do filme, Como Eu Era Antes de Você.


07.20.2016
Entenda o sucesso e a polêmica por trás do filme, Como Eu Era Antes de Você.
Jurassic World vs. Exterminador do Futuro – Qual filme ganha em “empoderamento feminino”?


06.21.2016
Jurassic World vs. Exterminador do Futuro – Qual filme ganha em “empoderamento feminino”?
Arquivo da tag 'Alexis Jones'

Atualização: A Emily ganhou o prêmio, muito obrigada a todos que votaram por ela! 😀

By Emily Greener, IATG Co-Founder

Eu descubro mais a cada dia porque eu faço parte do I AM THAT GIRL. Dizem que “nós ensinamos melhor aquilo que nós mais precisamos aprender” e isso não poderia ser mais verdadeiro para mim. Quando Alexis Jones me convidou para me juntar a ela para lançar o IATG, houve algo que acendeu dentro de mim que eu não pude explicar, algo que era tão poderoso que me fez abrir mão do meu grande sonho de ser atriz. Depois de anos realizando esse trabalho transformador de vidas, eu percebi que algo bem dentro de mim precisava do IATG tanto quanto qualquer outra garota.

Eu digo a você que tudo bem não estar tudo bem, mas ainda assim eu estive “bem” grande parte da minha vida. Eu digo a você que sua honestidade e vulnerabilidade são lindas, mas ainda assim eu tenho dificuldades em deixar que as pessoas me vejam chorar. Eu passei grande parte da minha vida sendo tudo para todo mundo. Eu pensava que as pessoas só gostavam de mim porque eu era leve, alegre e otimista, e em algum ponto do caminho eu me convenci de que se eu não fosse todas essas coisas, então ninguém iria querer estar perto de mim. Assim, eu nunca me permiti sentir medo ou admiti minhas inseguranças.

A verdade é que eu tenho pavor de ver os medos que eu estive escondendo de mim mesma. Tenho medo de não gostar dessa versão de mim quando eu bravamente olhar para tudo de mim – a luz e a escuridão. Eu acredito com todo o meu ser no que eu digo a todas vocês, mas então eu tento me convencer de que está tudo bem que os outros sejam vulneráveis, mas eu tenho que “manter tudo no lugar.

Esse negócio de apaixonar-se por si mesma é uma jornada ao longo da vida que continua a desafiar e me surpreender a cada dia. Significa amar as partes de mim que eu nunca soube que existia e aceitar as partes de mim que eu costumava criticar. É um trabalho duro, e é preciso mais coragem do que eu sabia que tinha.

Sem título**Para votar bastar clicar na foto, encontrar onde diz “Vote for Emily Greener” preencher um endereço de email válido, e pronto! 😉

Portanto, quando digo que estamos todas juntas nisso, eu não consigo expressar o quanto eu quero dizer isso. Não importa como alguém aparece do lado de fora, a gente nunca sabe o que está acontecendo lá dentro. Cada um de nós precisa pertencer a uma comunidade onde podemos nos sentir vistas, ouvidas e aceitas exatamente por quem somos em qualquer momento.

Algo grande está acontecendo para a nossa comunidade. Fomos indicada para o prêmio DVF. É uma honra enorme que realmente mostra o quão longe nós chegamos. Ganhar significa uma doação de US $50.000 para o IATG e a oportunidade de encontrar mulheres lendários que podem nos ajudar a alcançar milhares de meninas. Tudo o que temos de fazer é obter a maioria dos votos. Vença com a gente! Leva apenas 10 segundos. Devemos isso a nós mesmos, e umas as outras, fazer tudo que está ao nosso alcance para compartilhar o I AM THAT GIRL com o mundo inteiro.

Amor,

Emily

Originalmente postado por Emily Greener: http://www.iamthatgirl.com/10_seconds_to_change_the_world

Por Isadora Cabral, para o site “Meu Bairro POA”:

“O I AM THAT GIRL foi criado em 2008 pela Alexis Jones e pela Emily Greener. Elas são duas amigas que perceberam que não existia um espaço seguro para mulheres conversarem e serem elas mesmas. Ou porque a sociedade coloca muita pressão nelas (corpo bonito, ter filhos, casar, etc) ou porque a sociedade machista em que vivemos – além de nos cobrar todas essas coisas – também criou o mito de que vivemos em um mundo em que mulheres devem competir com as outras mulheres o tempo inteiro, criando ambientes hostis para muitas compartilharem suas verdades.

O IATG veio para mudar isso: começou como uma plataforma online onde mídias saudáveis para meninas (post de blogs sobre assuntos que importam, campanhas de empoderamento, etc) eram publicadas. Há mais ou menos 4 anos foi criado o que chamamos de sistema de grupos locais, que são os espaços seguros não só online, mas fisicos também. Esse espaço seguro físico são os encontros (mensais, quinzenais ou semanais. Depende da dinâmica de cada grupo) que cada grupo local oferece para meninas e mulheres. Um grupo é criado quando alguma menina (a idade geralmente é entre 14 e 22 anos) decide que a sua comunidade precisa desse espaço seguro para meninas. Daí é só entrar em contato com a ONG. Essa menina vira, então, a líder do grupo, recebendo da organização todo o treinamento e acompanhamento que a posição requer. Os grupos podem ser dentro de universidades e escolas ou aberto para toda uma comunidade. Por enquanto, são 171 grupos espalhados pelo mundo.Começou nos EUA, mas já está em muitos países. Quase todos os estados dos EUA tem algum grupo ativo. Além deles temos grupos no Líbano, no Egito, na Índia, no Japão, no Canadá, na França e em outros países pelo mundo.

EDITAL1B9062-e1449240657257

No Brasil, atualmente, temos três grupos ativos: um em Porto Alegre (o pioneiro), um em Recife e um em São Paulo. O de Recife é liderado pela líder Luana Fernandes e o de São Paulo pela líder Stefs Lima. Todos os grupos brasileiros tem mais ou menos um ano de vida. O IATG POA foi criado por mim em outubro de 2014. Temos um grupo com em torno de 30 pessoas envolvidas, mas com participações de em média dez meninas por encontro. Os assuntos dos encontros são variados, sempre com relação ao empoderamento da mulher e sempre focando em criar esse lugar seguro e repleto de sororidade. Em 2016, os encontros voltam no meio de janeiro, uma vez por mês, em lugar que será divulgado nas nossas redes sociais.

Hoje em dia o IATG POA além de ter os seus encontros oferece oficinas de empoderamento da mulher e campanhas como a arrecadação de absorventes para mulheres carentes em Canoas. Estamos sempre procurando projetos novos e parcerias novas que estejam dispostas em nos ajudar nessa jornada de amor próprio e sororidade. Se quiser conhecer mais ou ver onde tem grupos locais é só entrar aqui iamthatgirl.com

Para entrar em contato com o nosso grupo é só mandar mensagem no facebook I AM THAT GIRL: Porto Alegre, Brazil ou pelo instagram @iamthatgirlpoa. Ou ainda pelo email iamthatgirlpoa@gmail.com”

It’s amazing how words can change our perspective of life, that’s the reason why I chose to be a writer in the first place, because I truly believe in the transforming power of words! I did not have the chance to personally meet Alexis but there was necessary only a few emails for me to become a huge admirer of this beautiful soul. It’s a pleasure to present you my interview with Alexis Jones, a.k.a THAT GIRL, for the Brazilian website Hollywood is Here.

Image courtesy Alexis Jones

Image courtesy Alexis Jones

 Luana Mattos: You are an internationally recognized public speaker, author and media personality. But I am sure that achieving this required a lot of hard work from you. How did you start your career?

Alexis Jones: It was an astronomical amount of work, but all so worth it! I did my undergrad and Masters at USC and launched IATG out of grad school. I started my career by just telling people I was a speaker (before I ever spoke) and I think there is so much to say for manifesting your own dream. You have to just start somewhere and enroll people in the reality you want.

LM: You also founded I AM THAT GIRL, could you tell our readers what this movement is about.

AJ: I founded I AM THAT GIRL with my best friend, Emily Greener. IATG is a 501c3 non-profit solely committed to creating community for girls on and off line. We are passionate about inspiring girls to be the best version of themselves, to dream big, to pursue their passions, to discover their purpose and to encourage collaboration over competition.

LM: Recently you announced that you are producing “The Lizzie Project“, a documentary about Lizzie’s life, could you tell us a little bit about this project?

AJ: I organized and hosted the first TEDxAustinWomen with my dear friend Sara Bordo. I asked Lizzie Velasquez to be one of our speakers and her talk went viral with over 9.5M views (in English and Spanish). She’s now been on The Today Show, Katy Couric and most recently, the View. She has a rare syndrome that only two other people in the world have which doesn’t allow her to gain weight. She’s 25 years old and never weighted more than 64 pounds. She was severely bullied at 17, when she found an 8 second YouTube video of her (with 4 million views) posted online calling her, “the world’s ugliest woman.” However, despite her unique appearance, the inhuman comments posted about her online and the stares and whispers she gets on a daily basis; she refuses to allow her life challenges to define her. Instead, she used her adversity as fuel to her fire and checking off one dream after another. Lizzie is on a mission to inspire unconditional self love and a kinder world both on and off line. Her story is one of the most inspiring things Sara and I have ever seen and it’s our honor to produce a documentary capturing her life story.

Image courtesy Alexis Jones

 

LM: Your book “I AM THAT GIRL” got great reviews from Hilary Duff, Kristen Bell and Sophia Bush. I personally can’t wait to read it! Do you have plans to publish this book in Brazil?

AJ: Yes, Hill, Kirsten and Soph are dear friends so it was a really honor to have them support my book. You can purchase it online on Amazon and they ship anyway, including Brazil (I think)! Haha.

LM: You have traveled the world and spoken to many girls. Would you describe the girls’ issues as being the same or they are different from a culture to another?

AJ: I’ve worked with girls from the Bronx to Beverly Hills, from California to Cambodia, from rural to inner-city, domestic to international. In short, I’ve seen just about everything and while the challenges girls face may have different names; the one thing that bonds all of us together is the face that we all struggle with our self esteem. Whether it’s abuse, neglect, poverty, impossible beauty expectations, eating disorders or any thing else, girls are struggling everywhere and it’s just an honor to hear their stories and remind them that they aren’t alone.

LM: You are definitely an inspiration to many people, but what/who inspires you to be who you are?

AJ: My faith, my family, my fiancé and my dearest friends!! I have an AMAZING team in my corner and NOTHING would be possible without them! I am who I am because of the caliber of people I’m surrounded by!

LM: Do you have plans to expand your talks to South America? Would you include Brazil?

AJ: I love South American, especially Brazil!!! I speak all over the world and am just awaiting the invitation! Hehe.

Image courtesy Alexis Jones

I Am That Girl: How to Speak Your Truth, Discover Your Purpose, and #bethatgirl is available on Amazon and Claire’s. Grab your copy! (I already got mine!)

1 of 11